Como o frete impacta a sua importação?

Muitas variáveis devem ser levadas em consideração na hora de calcular o preço de revenda de um produto importado no Brasil e entre elas, sem dúvida, está o frete para o transporte da mercadoria. Por isso, entender como o frete impacta a sua importação é muito importante para todos que querem importar da China.

É muito comum ouvirmos que o frete é muito caro e que ele torna inviável a importação. Mas será que isso é realmente verdade? Como saber se o frete está bom ou não? É possível que o preço torne inviável a importação?

A resposta é: depende do seu produto e do volume importado. Ele vai dizer se o frete é caro ou não. Por isso, te convido a ler este artigo até o final para realmente saber a importância do frete na sua importação.

Como funciona o frete internacional?

O frete para transporte de mercadorias internacionais é muito volátil, como a cotação do dólar.

Como a grande maioria dos serviços, ele depende de duas coisas: oferta e demanda. Quando a oferta está alta, mas a demanda está baixa, o valor do frete tende a cair (isso geralmente ocorre após o ano novo chinês, entre final de janeiro e começo de fevereiro). Quando o inverso acontece, o frete tende a subir, como foi durante o auge da pandemia do Covid-19 e durante a crise dos containers.

Nos últimos dois anos, principalmente devido a pandemia, o frete internacional atingiu altas históricas, chegando a ser 5x o valor que era comercializado antes.

E aqui não tem segredo: se os fretes estão altos, o importador tem que atualizar os preços de custos e consequentemente, atualizar o preço de venda.

É necessário que você, importador, tenha ciência disso para não ter prejuízos em suas vendas. Óbvio que terá de ser feita uma estratégia de marketing e vendas de sua equipe para repassar os preços aos seus clientes, mas é este o caminho.

Lembre-se sempre que se o frete está alto para você, ele está para todo mundo, inclusive seus concorrentes. Então não tenha medo de reajustar seus preços, pois eles também irão ter que fazer isso.

O frete não tem como base o custo do produto

Imagine que você precisa levar um carro de R$ 10 mil de São Paulo ao Rio de Janeiro. Para isso você deverá contratar uma transportadora, com uma carreta cegonha e ela cobre R$ 1.500,00 (hipotético). Note que o custo do frete é 15% do valor do seu bem.

Agora, imagine que você tem um carro nas mesmas dimensões, só que custa R$ 100 mil e precisa fazer o mesmo transporte. O custo do frete será o mesmo: R$ 1.500,00. Só que agora o preço é apenas 1,5% do valor do bem. O frete ficou bem mais barato não é mesmo?

Esta é uma demonstração que, de modo geral, o frete não tem como base o valor do seu produto, mas sim o transporte e o volume do mesmo.

E não é só o transporte e o volume que compõe o custo de um frete: geralmente as transportadoras colocam embutido no preço, o seguro da carga, mão de obra, armazenagem e outros “micro serviços” que fazem parte de um frete.

Após você entender que o preço do frete, em uma mesma rota e para produtos parecidos, é basicamente o mesmo, você agora precisa entender como explorar isso para reduzir o impacto dele na sua importação.

Quanto mais você importar, menor será o impacto do frete nos seus produtos!

Como o exemplo do carro, dado acima, na importação o funcionamento do frete se dá na mesma forma.

Suponha que em 1m³, seja possível trazer 50 unidades de seu produto da China e que o frete seja, hipoteticamente, R$ 500,00. O preço do frete sobre cada unidade importada é de R$ 10,00.

Agora, imagine que nos mesmos 1m³ você consiga trazer 100 unidades do mesmo produto, só que outro modelo ou marca. O preço do frete em cada item será de R$ 5,00, pois o volume é o mesmo, mas a quantidade é diferente.

Em um container fechado, por exemplo, se você trazer aviamentos, o valor final será de mais de $ 300 mil. Se for de brinquedos, o valor é menor, pois é um produto bem mais volumoso, chegando em torno de $ 60 mil. Em ambos os casos, o frete será o mesmo, pois nos dois é um container fechado. Por isso, o frete será muito mais “pesado” no segundo caso, do que no primeiro.

Se você, importador, prefere importar mais vezes em um período de tempo com cargas menores, saiba que você está aumentando o custo de seu frete. Quanto maior for o volume de sua carga, menor o frete custará por unidade do item importado.

Marítimo ou aéreo? Qual frete vale a pena?

Aqui novamente a resposta é: depende.

Na maioria dos casos, o frete marítimo será mais barato, porém ele demorará mais tempo para entregar sua carga. Em média são 120 dias o transporte de carga da China para os portos brasileiros, por exemplo.

Já o frete aéreo é mais caro, mas o tempo de entrega é reduzido para cerca de 15-20 dias.

Se você tem urgência na entrega de sua mercadoria às vezes compensa pagar um pouco mais no frete para garantir a revenda em nosso país.

Por exemplo, este ano teremos um evento único e sazonal, que é a Copa do Mundo no Catar, que começa em Novembro. Esta é uma ocasião de muitas oportunidades para vender.

Entretanto, se você não se programou para trazer esses produtos com tempo, pode ser que pelo preço que você consiga vender eles na época do evento, compense pagar um frete mais caro, mas ter a certeza que a mercadoria irá chegar para garantir a venda.

Pense na sua venda e não só no frete

Muitos importadores deixam de importar certos produtos por conta do frete ser alto. Mas é preciso dizer que nem sempre um frete alto é sinônimo de negócio ruim.

Muitas vezes, mesmo com um frete nas alturas, a possibilidade de venda desse produto é altíssima e praticamente garantida e assim, você poderá vender o produto pelo dobrou ou triplo do preço. Vale a pena, concorda?

O que não compensa, na maioria dos casos, é comprar uma mercadoria de baixo custo e volumosa por um frete muito alto.

Por isso, é preciso analisar o custo de toda a importação e não somente o preço do frete para garantir, com exatidão, se aquele negócio é vantajoso ou não.

Aqui na China Gate, você encontra gratuitamente uma planilha de custos para obter essa e outras respostas com apenas alguns cliques. Clique aqui e faça o download da sua agora mesmo!

Cuidado com os impostos

É nítido que o custo do frete é importante para sua importação e ele pode se agravar dependendo no preço do produto escolhido.

Dessa forma, é preciso relembrar que no Brasil, para o processo de importação você deve declarar impostos sobre o frete e não somente sobre o produto.

Por exemplo, o AFRMM (Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante) é um imposto nacional sobre o frete internacional nos portos. Seu valor é de 25% do valor do frete. Então, quanto maior o valor do frete, maior o imposto sobre ele.

Por isso, fique atento nos preços e na documentação de seu processo para não ter com o que se preocupar e ter uma importação realmente lucrativa.

Quer reduzir o custo do frete de sua importação?

Se você está precisando reduzir o custo de seu frete ou pretende começar a importar da China, convidamos você a conhecer nosso serviço de containers compartilhados para importar com praticidade, segurança e com os fretes lá em baixo.

A cada quinze dias um container da China Gate sai carregado da China para o Brasil. Sua mercadoria pode estar no próximo!

Se interessou? Clique aqui e saiba mais.

Gustavo Batilani

Gustavo Batilani

Nascido em Maringá, casado e com mais de 06 anos de experiência em gestão de pessoas e supervisão de processos administrativos. Cursou Bacharelado em Informática e, atualmente, faz formação em copywriting e redação.
Gustavo Batilani

Gustavo Batilani

Nascido em Maringá, casado e com mais de 06 anos de experiência em gestão de pessoas e supervisão de processos administrativos. Cursou Bacharelado em Informática e, atualmente, faz formação em copywriting e redação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Postagens Recentes

Blog
Gustavo Batilani

Os atacados vão acabar?

Se você é varejista ou vendedor (seller) já deve ter percebido que a grande maioria dos fornecedores estão revendendo o produto diretamente para o cliente

LER ARTIGO >>